terça-feira, 5 de abril de 2016

Beast the Primordial - Parte I - Introdução


Saudações Seres Humanos, Tio Dio está de volta trazendo uma tradução caseira, mas muito legal sobre o novo lançamento do Chronicles of Darkness (Novo Mundo das Trevas): Beast: The Primordial. Neste RPG de Horror os jogadores interpretam Beasts, pessoas que perderam suas almas e que possuem agora um Monstro de Pesadelos do Sonho Primordial. Vamos dar as boas vindas aos novos habitantes do Mundo das Trevas! 


Beast the Primordial

Introdução

Você não sofre pesadelos.
Você os causa.


Você já foi normal, um dia. Pelo menos mais normal do que está agora. Você se levantou e foi para sua rotina diária, assim como qualquer pessoa – trabalho, escola, família, amigos -. Com as mesmas queixas mesquinhas e ambições, como qualquer outra pessoa que você conhecia, a não ser que você nunca se encaixou perfeitamente. As pessoas poderiam ter te chamado de encrenqueiro, fofoqueiro, um grande julgador de caráter, ou um empata. Você pode conhecer a verdade, embora esteja sonhando profundamente.

Seus sonhos o puxavam para o horror, para terríveis lugares escuros com monstruosidades profanas. Talvez eles caíssem em cima de você de cima, fazendo você se sentir exposto e vulnerável quando acordasse. Talvez você sonhasse que estava se afogando, que tentáculos os arrastavam para negras profundezas. Talvez seus pesadelos fossem com você vagando por escuras florestas, onde um grunhido ocasional o avisasse da criatura buscando o sangue do seu coração.

Seja qual for a natureza dos seus pesadelos, no entanto, quando você acorda, as coisas fazem sentido. Você sua e seu coração bate forte, mas você encontra sabedoria no medo. Muitas pessoas tiram forças e perspectivas de seus sonhos, mas os seus lhe dão propósito. Então, de certa forma, não foi nenhuma surpresa quando você ficou frente a frente com um monstro real. Poderia ter sido algo que você reconheceu de seus sonhos, ou talvez não; de qualquer forma, de repente, tudo fez sentido.

Os sonhos são reais. Os monstros estão lá fora, no mundo real, caminhando entre nós. Algumas pessoas – como você – visitam o Sonho Primordial sem a ajuda deles, mas a maioria não. A maioria precisa de ajuda para aprender as lições do medo. É por isso que os monstros estão lá, para ensiná-las. As respostas não são fáceis. A sabedoria tem um preço. Os Filhos da Mãe Negra sabem exatamente que preço cobrar para aqueles que precisam da verdade, e o usam para alimentar o Horror interior.

Os monstros, quem quer que fossem, lhe ofereceram uma chance de se tornar um deles e guiar a humanidade pelo árduo caminho da sabedoria. Você aceita. Naquela noite, você foi devorado. Quando acordou na manhã seguinte, você já não era mais humano... mas oh... agora há lições que você precisa ensinar.

Você ainda caminha entre o rebanho, mas você certamente não é mais um deles. Você satisfaz a sua Fome e deixa pesadelos em sua vigília, mantendo o mundo adequadamente com medo dos terrores que se escondem fora de vista. Você desliza para dentro e para fora das sociedades sobrenaturais tão facilmente quando como você se mistura com o mundo humano; os outros habitantes da noite – vampiros, lobisomens, changelings e coisas ainda mais estranhas – são seus parentes, e eles tem as próprias lições para ensinar. Você tem seus campos de caça e seu Covil, um bolsão especial no Sonho Primordial que pertence apenas a você. Enquanto você o constrói, você cresce em poder, e os pesadelos que você pode conceder se tornam mais intensos. Isto carrega seus próprios riscos, é claro, mas ele permite que você ensine e se banqueteie com muito mais eficácia.

Claro, o mundo humano não entende o que você está fazendo. Não é fácil ser o monstro que todos foram criados para odiar e destruir. O Beast a quem te Devora, o seu Grande Irmão ou Irmã, lhe disse para fazer o seu melhor e minimizar o dano, para ensinar sem causar dano permanente, e para escolher alvos que vão espalhar a sabedoria que você lhes concedeu. Você pode seguir este conselho. Alternativamente, você pode simplesmente abraçar sua natureza monstruosa e se tornar o vilão de mil lendas que vieram antes de você. Se a sua Lenda cresce, suas aulas podem chegar a culturas inteiras. Talvez toda a raça humana desperte ofegante, apavorada, mas mais sábia.



Verdades e Mentiras

*Beasts não são Humanos: Verdade. Beasts nascem humanos, embora a maioria deles tivesse experiências profundas com os pesadelos primordiais ao longo de toda a vida – uma conexão intrínseca com o Sonho Primordial. Em algum ponto, outra das Crianças encontraram o Beast incipiente e se ofereceram para muda-lo através da Devoração. Daquele ponto em diante, a pessoa não é plenamente humana, tendo perdido sua alma e a substituindo com um Horror. Alguns Beasts afirmam que nunca foram humanos, e que a Devoração meramente havia removido os detritos. Em vez de substituir uma alma humana com um Horror, dizem eles, a Devoração esclarece a conexão, permitindo que o Horror que esteve sempre presente viesse a nascer. Na verdade, alguns Beasts alegam que a Devoração foi espontânea, e que nenhum outro Beast estava envolvido. Em ambos os casos, se outro Beast instigou a Devoração ou se ela aconteceu por conta própria; se um Beast era humano ou apenas acreditava que era, não importa, as Crianças não são humanas.

*Beasts são uma linhagem literal: Falso. Enquanto Beasts muitas vezes referem a si mesmos como sendo descendentes da Mãe Negra e dividem-se em famílias, a conexão é apenas sobrenatural e não genética. Qualquer ser humano pode vir a ser um Beast – não há nenhuma ascendência em particular que marque isso.

*Beasts têm pontos fracos lendários: Parcialmente Verdadeiro. Beasts não tem nenhuma vulnerabilidade natural como os banimentos tradicionais encontrados em lendas e canções. Heróis, entretanto, possuem um poder perturbador de fazer com que essas fraquezas se tornem reais, pelo menos por um tempo.

*Beasts se transformar fisicamente em monstros: Na maioria das vezes Falso. Beasts não passam por uma metamorfose no sentido tradicional, embora eles possam usar poderes chamados Atavismos para ganhar temporariamente certas vantagens relacionadas com as verdadeiras formas de seus Horrores.

*Beasts são inerentemente maus: Falso. Enquanto heróis gostam de pensar nas Crianças como absolutamente más, a verdade é que um Beast é apenas tão mal quanto suas ações. Beasts instilam medo e até mesmo dor em seres humanos, mas eles fazem isso para transmitir a sabedoria do Sonho Primordial. (É claro que nem todos os Beasts são tão benignos). 

*Beasts são monstros selvagens: Falso. Todo Beast tem uma Fome que guia seu Horror, uma necessidade primordial que ele deve saciar para apaziguá-lo. No entanto, um Beast pode usar toda a sua engenhosidade humana para satisfazer esta necessidade – e isto não tem nada haver com um instinto animal demente. 

*Beasts são criaturas solitárias: Falso. Muitos Beasts participam de uma Ninhada após serem Devorados, enquanto outros se unem com um grupo de outras criaturas sobrenaturais. Família é algo importante para os Beasts; a maioria deles só se sente confortáveis com algum tipo de grupo. Mesmo um grupo de seres humanos é melhor do que nada. Beasts mais velhos, por vezes se retiram para seus Covis privados, mas os verdadeiros solitários são raros entre as Crianças.

*Beasts devem lutar contra Heróis para sobreviver: Verdadeiro. Todos os Beasts, eventualmente, atraem heróis, e tais encontros raramente são pacíficos. Quanto mais poderoso um Beast se torna, ou quanto mais ele caça, mais numerosos e determinados os Heróis se tornam, criando assim um ciclo vicioso de violência. Beasts sábios, no entanto, entendem que os heróis são muitas vezes as pessoas que mais necessitam das lições que eles podem transmitir, e que a instrução é mais útil do que a violência. Dito isto, Heróis nem sempre lhes dão está escolha.

*Beasts são imortais: Falso. Enquanto um Beast com um Covil bem estabelecido pode viver por muito tempo, eles acabarão morrendo de velhice, assumindo que nem heróis ou outros perigos os encontrem primeiro.



A Mãe Negra

No coração dos Beasts existe uma figura conhecida como a Mãe Negra, a progenitora de sua espécie. Rumores de suas aparições são um passatempo popular sempre que certo número de Beasts se reúne, entretanto, ela não foi avistada de forma confiável há séculos, possivelmente milênios. Apesar disso, as Crianças sabem em um nível instintivo que ela ainda está viva lá fora, em algum lugar.

Eles sabem disso porque o medo que sentem nunca vai embora; se ela voltar é muito mais provável que irá devorar seus filhos do que abraça-los.
Quem é a Mãe Negra? No início, ela estava lá. O primeiro monstro, a mãe dos pesadelos. Lilith, Echidna, Tiamat, Circe, a Rainha Mãe do Ocidente – ela tem sido chamada de uma centena de nomes diferentes em línguas vivas e mortas há muito tempo, e descrita de mil maneiras diferente em todos os dez mil anos de nossa história. Nos dias de hoje, seus filhos geralmente a chamam de a Mãe Negra. Alguns dizem que ela foi a primeira a viajar para o Sonho Primordial e absorver seus segredos, e que depois voltou a este mundo formando seus filhos. Outros afirmam que ela é a personificação do Sonho Primordial; que quando a humanidade não está mais ouvindo seus pesadelos, ela escolhe agir através de seus filhos.

Independente da verdade, a maioria dos Beast a veem não só como a primeira de sua espécie, mas também a primeira de todos os monstros. Pelo que as Crianças entendem, vampiros, lobisomens, changelings e outras coisas mais estranha são seus irmãos, os ramos da árvore genealógica que divergiram, mas que ainda compartilham raízes em comum.

Enquanto outros seres podem zombar disso, Beasts tem poderes e habilidades que parecem apoiar suas alegações.

O que seus filhos fazem? Ser um Beast pode-se dizer que é ter algo próximo a um único propósito: o Banquete. Ligados ao Sonho Primordial, o lugar onde todos os pesadelos são gerados, Beasts lembram a humanidade, e até mesmo outras criaturas sobrenaturais, que todos têm algo a temer. O Beast faz isso para saciar a Fome, que afirma a parte primal de seu Horror, o grande monstro que habita no reino dos pesadelos. Se ele não saciar esta Fome, o Horror começa a causar estragos nas mentes dos mortais ao seu redor, começando por seus amigos e parentes mais próximos e rapidamente atraindo a atenção de Heróis inclinados à destruir o Beast.

Semear pesadelos, entretanto, não é um fim em si mesmo. O Sonho Primordial é, ou era, o método pelo qual a humanidade compartilhava sabedoria. O tipo mais básico de sabedoria vem do medo e da dor. Não toque no metal quente, ou você vai queimar sua carne. Não corra ao longo da borda estreita, ou você poderá cair. Não entre na caverne no final do desfiladeiro, monstros podem viver lá dentro.

Ao longo do tempo, a sociedade humana tornou-se mais complexa. Populações explodiram e a sabedoria do Sonho Primordial se perdeu em meio a oito bilhões de vozes. Algumas pessoas ainda podem ouvi-lo, seja lá por qual motivo, e estas são as pessoas que se tornam Beasts. O Beast deve alimentar o Horror dentro de si, mas eles fazem isso para trazer sabedoria.

Beasts não se desculpam por seus métodos severos – a sabedoria não vem sem perda. Ao mesmo tempo, Beasts geralmente abraçam um credo de moderação. Se eles se alimentaram profundamente ou com demasiada brutalidade, eles apenas ensinariam nada além de traumas e perdas. Se eles se alimentarem muito levemente ou ensinarem suas lições de forma superficial, o Horror dentro de si crescerá com fome e percorrerá o Sonho Primordial à procura de pesadelos para amplificar. Beasts devem estar conscientes dos apetites de seu Horror e o que ele espera realizar. Comer para viver, não viver para comer.



O Horror

Enquanto a humanidade declara com confiança que não há monstros se escondendo nas sombras, no fundo eles sabem a verdade. Os dragões, gigantes, krakens, górgonas e todos os grandes monstros das lendas e pesadelos – eles não podem andar no mundo abertamente, mas as pessoas sabem o que veem em seus sonhos. A humanidade os procurou em cavernas profundas e florestas escuras, quando deveriam estar olhando para dentro de si mesmos, onde os verdadeiros monstros habitam.

As grandes criaturas dos mitos e lendas ainda estão conosco. Beasts são expressões dessas terríveis criaturas na carne. A partir de suas camadas mais profundas dentro do Sonho Primordial, os antigos pesadelos fundem-se com os seres humanos escolhidos para devorar suas almas, assim como aconteceu desde antes da história ser escrita.

 As duas sínteses lhes permite andar no mundo mortal, semeando medo e colhendo ruína para alimentar seus apetites sem limites.

É importante compreender que o Horror não é um monstro de carne e osso. O Horror é muito mais icónico do que isso, que existe principalmente como uma entidade espiritual de pavor nas profundezas mais obscuras do Sonho Primordial. Alguns Horrores são monstros lendários, enquanto outros viram as suas culturas morrerem em torno deles com seus contos sendo esquecidos. Outros ainda são criaturas novas, nascidas de medos modernos e fantasias. Seja qual for a sua forma, seja qual for a sua origem, no momento do esquecimento quando um Horror devora a alma de um ser humano, um novo Horror nasce. O Beast recém-nascido se junta com este Horror e tornam-se uma das novas Crianças da Mãe Negra.


Devoração

Qualquer um pode se tornar um Beast. O potencial para deslizar de volta para a escuridão primordial e se juntar às fileiras de pesadelos-feito-em-carne da humanidade habita dentro de cada coração humano. Ainda assim, o processo de atender ao chamado da sabedoria do Sonho Primordial começa cedo, às vezes até mesmo na infância. O Beast nascente tem pesadelos, vislumbres do Sonho Primordial. Seus pesadelos são ainda piores, porque ele frequentemente se vê mais como presa do que como predador. Ele acorda com um susto: suando, às vezes chorando, mas mais sábio. Um problema que estava incomodando agora tem uma solução. Nem sempre (ou nunca) é uma solução fácil, mas ele sabe que mudanças ele deve fazer.

Às vezes, ele sonha com a sabedoria para outras pessoas. Ele vê um amigo trabalhando até à morte e no sonho gigantes o espancam, quebrando seus ossos, enquanto ele tenta em vão montar um jarro quebrado. Ele acorda sabendo que, se seu amigo não largar o emprego, ele vai se dar muito mal. Ele então conta ao seu amigo o que viu; esperançosamente, ele escutará.

Às vezes, a lição é mais terrível. Ele sonha com um monstro no escuro, saltando sobre seus amigos, os abocanhando e deixando para trás nada além de uma mancha de sangue. Quando ele acorda, ele sabe a verdade: Um de seus amigos é um predador, infiltrado em seu circulo social. Será que ele deve confrontá-lo? Dizer ao resto de seus amigos? Talvez eles ouçam... mas eles sempre estão mais propensos a dizer que tudo foi apenas um sonho.


Um dia, porém, um verdadeiro Beast o encontra. Como o Beast sabia sobre seus sonhos você não tem ideia. O Beast demonstra seu poder e sua natureza, e você vê o Horror... e o reconhece. Talvez você nunca tenha visto aquele monstro em particular, mas viu seus irmãos e irmãs em seus sonhos.  Algumas pessoas ficam horrorizadas com a chagada cara a cara com os habitantes da escuridão, mas alguns sentem uma onda de gratidão. Os pesadelos eram sim terríveis, mas eles trouxeram catarse e boas lições.

O Beast explica que o sonhador sente mais o conhecimento do Sonho Primordial do que a maioria das pessoas, e que ele é, portanto, apto para se tornar uma de suas Crianças. A fim de se juntar à família, porém, você deverá desistir de sua alma. Você se tornará desumano, aparentemente uma pessoa, mas possuidor de um Horror. Você nunca vai sonhar novamente. Em vez disso, você vai se tornar o pesadelo que ensina as duras lições. Você vai se tornar a encarnação dos Primordiais.

Se o sonhador aceita, ele vai dormir e sonhar novamente com monstros, mas neste pesadelo final, o monstro o capturará e o Devorará. Você experimentará um momento de escuridão, de linda quietude, um momento de esquecimento. Muitos Beasts relatam que, naquele momento, eles veem a grande e terrível face da Mãe Nega. Em seguida, vem o Horror. 

O Horror é um monstro do Sonho Primordial, que se apressa para se fundir com o sonhador. Ele divide o pesadelo de seu Grande Irmão ou Grande Irmã, e o sonhador – agora um Beast – encontra-se em seu novo Covil. O Horror é agora parte dele. Ele vê o Sonho Primordial se alongando diante dele, repleto de sabedoria que a humanidade ganhou desde o início dos tempos através de muito sangue e suor. Eles são parte de uma grande Ninhada, uma Família de monstros em todo o mundo.

Claro que, com o alívio também vem o conhecimento terrível: O Beast deve realizar sua Fome e alimentá-la para manter o Horror apaziguado. Tudo o que um Beast tenha aprendido desde que era uma criança diz a ele que o monstro é mau. O Monstro é, na melhor das hipóteses, um Beast vicioso que será morto por um Herói vitorioso. Na maioria dos casos, o monstro é um análogo: Satã, luxuria, avareza, ou qualquer outra qualidade que esta sociedade deseja demonizar. O monstro é vil, e isto está errado; O Beast sabe, cada história termina com a destruição do monstro. O Beast tem que aceitar o acordo sabendo que ele é o um monstro, e na maioria das histórias, ele é o vilão.

A conclusão é de que Beasts rapidamente ascendem, e é claro, eles precisam definir suas próprias histórias. O Beast não é um vilão. Ele é uma lição.



O Covil

Como parte da ligação com seu Horror, todo Beast tem acesso a um pequeno bolsão no Sonho Primordial, que se refere como seu Covil. Um Covil reflete a natureza do Horror, bem como a personalidade do próprio Beast, tornando-se uma mistura entre os dois. A composição básica do Covil está relacionada com a natureza do Horror – por exemplo, um Horror aquático muitas vezes favorece um Covil subaquático – a partir daí a personalidade e experiências do Beast o moldarão em algo totalmente pessoal e único. Todos os tipos de locais fascinantes e terríveis podem ser encontrados nas Câmaras de um Covil; entender exatamente o por quê de um covil tomar a forma que tem oferece uma grande quantidade de insights sobre a natureza do Beast.

Além de servir como um santuário privado, o Covil também é uma expressão do poder de um Beast e é intimamente ligado ao seu Horror. Quando uma Criança se entrega a Fome e explora o mundo sobrenatural em torno dela, o Covil se expande, tornando-se maior e mais complexo, bem como oferecendo novas vantagens próprias ao Beast. No início é um simples espaço de recuperação e reflexão, enquanto o Covil de um Beast experiente se assemelha a entrar em um pequeno mundo, apresentando perigos terríveis para aqueles que são tolos o suficiente para perseguir a Criança nele.


No caso de um Beast participar de uma Ninhada, seus Covis formaram conexões entre si também. As leis fluídas e a lógica dos pesadelos no Sonho Primordial permitem combinações impossíveis de recursos e ambientes com os espaços unidos. O resultado é uma estrutura feita de Covis conectados que é mais forte e mais perigosa do que um único Covil que um membro da Ninhada poderia possuir individualmente, oferecendo um grande nível de proteção contra Heróis que constantemente caçam os Beasts, e outros perigos exteriores. Da mesma forma, os Covis de todos os Beasts em uma determinada área geralmente compartilham uma característica que ressoa de acordo com a mais poderosa Criança local, ou qualquer outra criatura sobrenatural que inspire medo suficiente para colorir o Sonho Primordial.

É claro que um Covil compartilhado tem riscos também. Um Covil ligado a outros Beasts significa que os outros têm acesso ao espaço mais pessoal e privado de um personagem, e até mesmo o potencial para convidar pessoas de fora para esse espaço. Um Herói que consegue romper o Covil de um Beast da Ninhada pode usá-lo para acessar a quaisquer outras pessoas ligadas a ele, sem mencionar que um santuário privado é um excelente lugar para se apunhalar alguém pelas costas. Mas, é bom ressaltar que um Beast é sempre mais poderoso em seu próprio Covil.


A Fome

Todos os Beasts têm uma unidade primordial chamada Fome, na qual deve ceder para saciar o apetite do Horror. A Fome pode ser uma coisa muito simples, direta, como perseguir e matar uma presa, ou pode ser algo mais abstrato, como uma necessidade de punir os outros por suas transgressões. A forma desta unidade primordial é a mesma para todos, o que muda é a forma como o Beast interpreta esta necessidade – por exemplo, em vez de literalmente caçar suas presas e consumi-las, um Beast pode, de forma metafórica, perseguir um alvo e “consumir” sua confiança.

Entretanto, isto é interpretativo, a Fome sempre deve alimentar o apetite do Horror. Dito de outra forma, como os Beasts mais velhos algumas vezes dizem aos mais jovens: “Se alguém come, outra coisa é comida.” O Beast, por exemplo, pode consolar-se pensando que ele só machuca “pessoas más” para saciar sua Fome (ou assustar o sujeito ou fazer dele um exemplo e etc), mas no fundo ele sabe que, para o seu Horror, qualquer um serve como comida – e em um dia, se ele não tiver cuidado o bastante, isso pode vir a acontecer. É raro que a Fome de um Beast mude, embora isso possa acontecer em determinadas circunstâncias extremas e sempre sinaliza uma profunda luta para se conciliar com seu Horror.

Beasts saciam suas Fomes para alimentar o Horror, naturalmente, mas isso não é tudo que eles fazem. Beasts saciam suas Fomes para ensinar uma lição a partir do Sonho Primordial. Todo Beast tem uma lição especial que transmite de várias formas; a lição vem do cruzamento da Família e da Fome do Beast. A fim de ensinar a lição, porém, o assunto desta tem de sobreviver e se internalizar. Um pesadelo só é útil se o sonhador acordar, a sabedoria só é útil se alguém sobrevive para usá-la. O Horror não entende isso (ou não se importa); e fica satisfeito se o Beast mata para alimentá-lo. Beasts que simplesmente se entregam aos caprichos de seu Horror, no entanto, tendem a chegar a um fim ruim: alguns estão na mira do julgamento de seus parentes, enquanto outros atraem Heróis.


Heróis

Onde monstros caçam, Heróis surgem. Quando o Beast cresce em poder, ele inevitavelmente atrai caçadores que seguem os rastros de seus pesadelos deixados para trás, como rastros deixados na areia. A literatura idealiza que estas figuras são campões divinos escolhidos para se colocar entre os monstros depravados e suas vítimas inocentes, mas as Crianças sabem que a verdade é mais complicada do que isto.

Beasts alimentam seus Horrores com o terror de pesadelos, mas os Heróis “alimentam” o medo de uma maneira diferente. Se as pessoas estão com medo – não apenas alguns poucos indivíduos, mas uma população inteira – eles procurarão algo para odiar e um líder para dizer-lhes o que fazer. Nas brumas distantes do passado, Heróis foram os que ajudaram as pessoas a entender e cristalizar a sabedoria que o Sonho Primordial trouxe até elas. Talvez eles fossem xamãs, líderes, juízes ou guardiões do conhecimento, ou talvez eles fossem simplesmente mulheres e homens corajosos o suficiente para entrar na caverna escura e informar sobre o que encontraram lá.

Com o tempo, as histórias tornaram-se mais sobre o Herói do que sobre a Lição. Os Heróis se tornaram lendas, deuses e santos. Como a população humana crescendo, a compreensão do Herói e sua relação com o Sonho Primordial for alterada. Pessoas que antes eram capazes de compreender a sabedoria dos pesadelos agora respondiam com indistinto desprezo, retaliação e raiva. Pessoas que poderiam estar dispostas a contar e recontar contos de advertência agora não confiam mais nos outros para aprender ou crescer. Heróis vieram para forjar armas para ir contra a escuridão, e não mais para aprender a sabedoria que um monstro pode ensinar, Heróis agora vem para mata-los e tomar suas cabeças.

Heróis modernos se assemelham, em alguns aspectos, aos sonhadores que eventualmente se tornam Beasts. Eles experimentam o Sonho Primordial, mas ao contrário dos pré-Beasts, eles não aprendem com os pesadelos. Eles acordam do pesadelo precocemente e não levam nenhuma compreensão das lições que o sonho estava tentando lhes ensinar. Eles passam de seus próprios sonhos para os dos outros e, eventualmente, eles encontram um Horror, e neste momento, eles acham a sua finalidade. Proteger as massas do medo. Matar os Horrores. Matar a Fera. Tornar-se o Herói.

Na melhor das hipóteses, Heróis carregam uma forte semelhança com os protagonistas de epopeias antigas: pessoas profundamente falhas, condenadas a um destino terrível, mas glorioso. Na pior das hipóteses, Heróis são maníacos respingando sangue coagulado cuja busca obsessiva para destruir os Horrores do Sonho Primordial os tornam perigosos para todos ao seu redor.

Beasts muitas vezes simpatizam com Heróis, pelo menos até certo ponto. Afinal, mesmo o mais nobre Beast ainda é, indiscutivelmente, um monstro dos mais escuros pesadelos, que ataca os seres humanos para saciar sua fome. Sim, eles tem seus motivos, mas não são todos os Beasts que exercem um controle sobre suas ações, por isso, talvez, os Heróis sejam um mal necessário, eliminando as Crianças que vão longe demais.

A questão é que Heróis não estão realmente tentando resolver um problema. Eles não estão tentando matar o Beast, eles estão tentando se tornar reverenciados por matar Beasts. Enquanto as crianças se beneficiarem da explosão de medo e de realização que vem de uma lição duramente conquistada, Heróis se beneficiam de um verniz de temor que nunca vai embora. Beasts usam o medo para ensinar (e claro, para alimentar seus Horrores). Heróis alavancam o medo em dependência e adulação. Um Herói mata um Beast, mas depois percebe que o pesadelo não acabou, e seu trabalho ainda não está feito. Mais monstros devem morrer em sua espada. Ele não pode receber a fama que ele tanto merece, porque o mundo não acredita em monstros, então ele suja o nome dos Beasts, arrasta-os publicamente para a luz, faz com que eles sejam odiados por razões mundanas e crimes (estes sendo reais ou não), e acumulando seguidores que conhecem a verdade sobre ele e seus inimigos.

Em última análise, Beasts reconhecem que o ciclo do Herói é tanto uma parte de sua natureza, assim como seu Covil e seu Horror. A humanidade teme o Beast – é parte integral daquilo que eles fazem – e que eles tentam invariavelmente destruir os medos da humanidade. Beasts aprendem rapidamente que eles não podem ficar com raiva por causa da reação destas pessoas; isto é da natureza humana. Ao mesmo tempo, porém, as Crianças sabem que têm um propósito: eles são capazes de ensinar as pessoas algumas lições difíceis, mas valiosas. O mundo é um lugar terrível; os monstros do escuro estão lá por um motivo. A narrativa dominante pode ser a do “Herói surge e mata o monstro”, mas as Crianças veem que esta narrativa se vende de uma forma curta e pobre, demonstrando uma impressionante falta de fé na humanidade, e, claro, acaba com os Beasts mortos. Heróis, por outro lado, raramente questionam seu próprio heroísmo. Isto é o que os torna tão perigosos.


           Pesadelos


Embora possa parecer que os Beasts seriam mais temidos no sentido físico, uma grande parte de seu poder deriva de sua capacidade de criar pesadelos, que são os momentos em que as Crianças chamam o medo primal para ferir e aterrorizar seus alvos. Pesadelos jogam com medos e sensações enterradas no fundo da mente; não importa o quanto um alvo pode tentar convencer-se de que “isso não pode estar acontecendo”, seus corpos registram isso como algo muito real. Os Pesadelos mais poderosos podem realmente tornar-se reais, deformando a realidade por um tempo para mostrar uma visão aterradora do Sonho Primordial.


                       Atavismos

Se os Pesadelos são uma expressão da ligação da Beast com o Sonho Primordial e sua natureza do medo, então Atavismos são a expressão do seu Horror. Eles permitem ao Beast mudar-se ou mudar os seus arredores imediatos momentaneamente a fim de conceder-lhe uma parte das capacidades emblemáticas do terror, tais como a força de um Gigante, a regeneração de uma Hidra, o fogo de um Dragão ou a precisão de um Roc.


Na sua forma mais poderosa, alguns Atavismos transformam fisicamente o Beast, mas na maior parte apenas afirmam a verdadeira natureza do Horror por um momento, usando a Criança como um canal para o seu poder primordial. O resultado final é possivelmente ainda mais desconcertante, como mãos de aparência perfeitamente normal que conseguem deixar marcas de garras devastadoras, ou sua carne cortada poder voltar a se juntar através de uma fração da Hidra dentro de si. Atavismos podem não ser sutis, mas o que falta em sutileza eles compensam com poder cru. Seres sobrenaturais e as pessoas que são sensíveis aos fenômenos sobrenaturais têm um vislumbre do Horror quando um Beast ativa um Atavismo, concedendo-lhes uma pequena compreensão do que eles estão vendo.


Parentesco

Embora outros monstros neguem (ou simplesmente não entendem), por mais distantes que os Beasts estejam, os seus laços familiares com outras criaturas sobrenaturais são óbvios. Beasts podem reconhecer monstros e até seres humanos sobrenaturalmente dotados de visão. Eles podem estender a bênção da Mãe Negra para energizar poderes de outras criaturas. Eles podem até mesmo fazer uso de caminhos para outros mundos criados por seus irmãos mais novos, quer para alcançar seus destinos ou para forçar uma porta de entrada para o Sonho Primordial.


Ninhadas

Embora alguns de seus irmãos mais novos participem em vastas sociedades sombrias, as Crianças não têm uma organização global. Beasts têm alguns entendimentos culturais e costumes, na sua maioria dispostos em torno de sua compreensão familiar um do outro. Famílias nem sempre se dão bem, mas eles entendem um ao outro. Isso conta muito.

As organizações regionais são comuns, geralmente dispostas ao redor do mais poderoso Beast na área. Um Apex Beast naturalmente assume uma posição de liderança e respeito, ou então de medo e temor. Sendo parte do Covil de um Beast ou não, as Câmaras do Sonho Primordial assumem uma reflexão sutil do mais poderoso e temido ser sobrenatural na área. Se isso é uma Beast, seu Covil influencia o de todos os outros. Se por acaso for um príncipe vampírico, por exemplo, os Covis na área pode ter um sabor sangrento com um aroma sensual.

Seja qual for a cena sobrenatural em uma região, as Crianças costumam construir laços estreitos com outros Beasts locais, formando um grupos conhecidos como Ninhadas. Os membros de uma Ninhada constroem seus Covis em conjunto para formar um reino compartilhado mais forte, que por sua vez permite-lhes um maior grau de segurança contra ameaças externas, como Heróis.

 Satisfazer suas Fomes com uma Ninhada é mais fácil, com o grupo todo obtendo sustendo quando um único membro se alimenta.  


Herança

     Todo Beast reage à sua natureza de forma diferente, e por isso não é nenhuma surpresa que eles devam perseguir diferentes objetivos também. As Crianças mais experientes falam de algo chamado Herança, uma condição em que o Beast atinge um acerto de contas entre sua natureza humana e seu Horror e, no processo, torna-se algo diferente. Alguns se submetem à Incorporação, onde o Horror se funde fisicamente com o Beast, transformando-o em uma criatura violenta que se esconde nos lugares escuros do mundo. Tais seres deixam o Sonho Primordial para trás, sucumbindo à narrativa dos Heróis e tornando-se nada mais do que ameaças que caçam carne fresca e esperam por um Herói surgir matá-los. Outros Recuam fugindo do mundo físico em favor de se tornarem espíritos pesadelares que assombram o Sonho Primordial para sempre. O Recuo também pode ocorrer involuntariamente, se o corpo humano do Beast morre enquanto o Horror permanece intacto. Poucos abraçam plenamente seus horrores e suas naturezas humanas, tornando-se um dos Encarnados: seres incrivelmente poderosos e perigosos, cuja síntese de sua dupla natureza é incomparável. Os Encarnados são lendas entre lendas, os verdadeiros monstros do Mundo das Trevas.



Continua...

___________________________________________________________________________

Gostou? Então nos ajude a espalhar a palavra, compartilhe este artigo para os amiguinhos! Também não deixe de curtir nossa página no facebook clicando aqui: Rádio Budega. E se quiser entrar em contato conosco basta nos deixar um comentário ou mandar um e-mail para: radiobudega@gmail.com. 

Conheça também nossos Podcasts de RPG e nossos Contos de Terror

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...