domingo, 14 de dezembro de 2014

Changeling - Os Perdidos : Conto de Fadas para se ter Medo!




" Mark sentia seu coração bater aligeirado. Não sabia o que fazer - Não sabia o que dizer, não sabia o que falar, não sabia o que esperar - Não sabia o que pensar. Nem sabia o que tinha acontecido consigo mesmo. Olhou para seu corpo uma, duas e mais uma vez. Estava imundo, fedendo e usando um trapo velho que era pouco maior que uma camisa. Uma chuva fria se precipitava pela deserta região que limitava o antigo parque, e as gotas de chuva lavaram o seu rosto, ardendo intensamente quando tocava nos cortes e arranhões que adquiriu em seu rosto nos Espinheiros quase impossíveis de se atravessar. E que mãos eram aquelas? Ele se lembrava de ter CINCO, e não SETE dedos, suas unhas eram baixas e bem aparadas, E não saltadas, pretas e ensaguentadas. Pior que isso, era de pele negra, e agora se via tão alvo como a neve!! A chuva formou uma grande poça nos limites da estrada em sua frente; resistindo ao impulso de ver seu próprio reflexo, ele olhou da poça até o velhíssimo prédio cinza à iminência de queda em sua frente, uma paisagem tão depressiva quanto uma triste noite solitária. Provavelmente ninguém morava mais ali, dada a quantidade de lixo acumulada ao redor. Talvez tivesse sido roubado, e tenham levado seu supercomputador Alienware, sua filmadora de última geração da Sony e até o seu antigo e personalizado Camaro 68. Mas siceramente, nada disso importava para Mark no momento.

Ele estava em casa.

Finalmente, em casa."





Changeling - Os Perdidos é um jogo bastante intrigante, na falta de uma palavra melhor para descrevê-lo. Publicado pela antiga White Wolf Publishing, e trazido ao Brasil pela já consagrada Devir em 2011, Changeling é uma obra de vários autores renomados com destaque para Richard Thomas, que além de ser seu Diretor de Criação, também ocupou a mesma cadeira na concepção e criação de outros RPG's famosos da mesma linha da WW, como Werewolf - The Forsaken, Geist - The Sin Eaters e  Promethean - The Created.

Este jogo se inspira nos mais antigos contos de fada contado em tempos há muito passados. Histórias estas que não tinham como intuito acalmar os seus ouvintes. Na verdade, tais contos serviam exatamente para o oposto - Amedrontar, cultivar o medo e espalhar o terror entre os que se soubessem. E de fato, ainda que não tenhamos mais medo, hoje podemos ver resquícios destas histórias; Afinal de contas, quem nunca ouviu falar no "Velho do Saco", na "Cuca" ou mesmo no "Bicho Papão"?


Os jogadores protagonizam interpretando um Changeling: Um ser que outrora foi humano, mas acaba sequestrado, arrancado de sua casa e sua vida como a conhece, e levado por um caminho sem volta até um cativeiro que desafia a lógica e a razão humana em seu âmago - Arcádia, o Lar das Fées (ou Fadas) Verdadeiros(as), captores totalmente alienígenas e alheios às vontades e necessidades de suas presas. Um lugar de beleza surreal e divina, mas ao mesmo tempo também um lugar de terrores indescritíveis, de dor extrema, onde dominam o caos e à loucura. Para Se chegar lá, é necessário passar pela Sebe, uma densa e selvagem floresta que ocupa o limiar entre os dois mundos, onde se costuma deixar para trás, além do sangue em seus espinhos, sua memória da vida que teve. Forçados a viver na escravidão, os reféns pouco a pouco esquecem o que eram e o que poderiam ser, devido a exposição das infinitas facetas que Arcádia apresenta. 



Ainda lá, os Raptados precisam comer, beber e interagir com tudo que os rodeia, e mediante uma mágica profana e cruel, têm seus pensamentos e até mesmo a forma física alteradas. Passam a ser instrumentos de seres muito mais poderosos e irracionalmente volúveis, sendo descartados conforme for a vontade de seus Captores.

Mas no fundo, Bem lá no fundo, algo parece lhes incomodar. Talvez venham em forma de sonhos, talvez com uma grande e rombuda pancada na cabeça, ou talvez  com um pequeno pingente de prata, herança de sua mãe. Por qualquer motivo, os Changelings ainda se lembram de quem eram, e REALMENTE QUEREM voltar a ser o que eram. Se apegam a essas memórias com toda sua vontade e se guiam por ela para voltar ao Mundo Humano, assim que tem a chance. Trilham o caminho rumo à liberdade em meio à Claustrofóbica e desoladora Sebe, e depois de um longo período sufocados pelas correntes dos Fées, finalmente aspiram o ar de sua antiga casa por direito, o local ao qual se pertence.

E percebem que já é tarde demais.


Talvez tenham sido aprisionados por muitos anos, talvez por apenas algumas semanas - Mas quando finalmente voltam, os Changelings encontra em seu lugar uma cópia, PERFEITAMENTE igual ao que eles eram antes de serem sequestrados, chamados por eles de Duplos. O Duplo sabe o que Changeling sabe, faz o que o Changeling faz, compartilha das mesmas memórias. Um ser criado pelas Fées para que não dessem por sua falta. 

Além disso soma-se o seu período de cativeiro e sua transformação em outra coisa. Gosta do mundo em que nasceu, mas diante das emoções normais e dissabores da vida, encontra um grande vazio em sua alma. Por outro lado, se recusa a voltar para Arcádia e nunca mais ser livre novamente, para viver tudo aquilo que no momento parece apenas ser um pesadelo da noite anterior. Se torna então um Perdido, e embora pertença a ambos os mundos, em seu coração, sabe que na realidade não pertence mais a lugar nenhum.

Não sendo o bastante, é de se esperar que seu captor (ou outro qualquer) possa reaparecer para reclamar o que é seu. Agindo de maneira desconhecida e desconexa, não é possível ao Changeling prever o que lhe pode acontecer, e apenas lhe resta fugir, e torcer para não ser pego novamente.

Entretanto, Essa terrível maldição vem também com uma Benção: os Contratos, chamados assim pela maneira a qual o Changeling firma o acordo com entidades específicas. Ao Changeling são concedidas façanhas, poderes que o resguardam, protegem e fortificam contra os que o querem mal, em troca do Glamour, uma espécie de energia intrapessoal que o Changeling que é gerada e recupera ao fazer humanos comuns experimentarem intensas emoções. Além disso, se ele foi capaz de fugir, outros também devem ter sido: e assim se dá vez a uma espetacular e intrincada política de ambíguo acolhimento e repulsão por parte de seus pares. São as chamadas Cortes, criadas para auxílio e proteção mútua.


Changeling- Os Perdidos é um jogo que trata muito mais do interior que do exterior. Aborda a busca por algo que se sabe ser inalcançável: O Changeling sabe que nunca mais voltará à sua vida anterior, e resta agora  tentar encontrar consolo onde puder, e lidar da melhor maneira possível com o fato de não ser mais o mesmo. Não tem um tom definido, à despeito de seus jogos irmãos, o que ocorre graças a volúpia e a incandescente loucura que beiram sempre os personagens, que se esforçam para manter sua Sanidade. Por fim, ele é facilmente adaptável para entrar em jogo com as outras criaturas das trevas, e o seu pano de fundo pode proporcionar muitas horas de diversão para quem se habilitar à jogá-lo!

____________________________________________________________

  •  Gostou desta resenha e quer mais? Poste sua opinião nos comentários! Será de grande valia para nós!
  • Clique aqui para saber mais sobre este livro, e aqui para adquiri-lo!

2 comentários:

  1. Changeling os perdidos é um jogo excelente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, apesar de haver, inicialmente, um certo preconceito contra Changeling, mas é um jogo extremamente rico e que nos leva a uma nova escuridão. Mas e você já jogou? Mestre ou Jogador? Qual o personagem favorito que você já teve em uma mesa?

      Grande Abraço!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...